25.2.10

Leite Moça de diferentes anos

Em recente viagem à cidade de Cláudio, no interior de MG, descobri diferentes latas de Leite Moça em um supermercado da cidade.

Não sei se as mesmas se encontram à venda nos supermercados da capital mineira. Portanto, aproveitei a chance para fotografar as latas, uma do lado da outra. O ano de cada uma é, respectivamente: 1937,1946, 1957, 1970, 1983, dias de hoje.

(Para melhor visualizar a foto, clique o mouse sobre ela)


Muito legal esta iniciativa da Nestlé de reeditar as latas antigas do Leite Moça.

5 comentários:

Eduardo Tristão Girão disse...

Oi, Rusty!

Sim, as latas retrô estão à venda aqui em BH. Inclusive, vi algumas no Super Nosso ontem à noite.

Achei as latas bonitas, só não sei se são práticas, dado que essa "cintura" é um obstáculo a retirada completa do conteúdo. De toda forma, são simpáticas.

Abraços.

Rusty Marcellini disse...

Alo meu caro Girão,
Valeu pela informação. Vou então procurar as latinhas nos supermercados de BH.

Sobre a "cintura" das latinhas, acredito que seja para lembrar das curvas "violão" da moça do Leite Moça.

E, quem sabe, para ser politicamente incorreto afirmando que as garotas que provam o Leite Moça estão mais para ser mulheres com "curvas violão" do que para as mulheres retas das passarelas. Melhor assim, né?
Abração,
Rusty.

Eduardo Tristão Girão disse...

Rusty,

certamente é bem melhor assim! Hahaha!

E, pelo visto, são uns seis modelos diferentes, não?

Abraços.

Eduardo Tristão Girão disse...

Rusty,

certamente é bem melhor assim! Hahaha!

E, pelo visto, são uns seis modelos diferentes, não?

Abraços.

nelio souto disse...

Bom saber que esteve em Cláudio. Tenho um grande amigo lá, João Paulo Costa Jr.

Cláudio é uma cidade encantadora. Depois conta mais sobre a viagem.

Sobre as latas, deveriam lançar outras embalagens antigas né... lá em casa (Jacuri, como sempre) minha mãe ainda tem umas latas de manteiga/margarina super antigas. Não sei mas imagino que a conservação devesse ser melhor. Minha mãe pelo menos diz que sim, que o gosto das manteigas antigas eram bem melhores.

Saudoso abraço!